Renault ZOE, um carro elétrico para todos

A partir de 2013, o índice de nacionalização do ZOE será de 55%, graças à introdução do motor elétrico Renault produzido na fábrica de Cléon. Este índice contribui para a redução da pegada de carbono em termos logísticos.

Com o ZOE, a Renault coloca a mobilidade Zero Emissão ao alcance do maior número de pessoas. O ZOE é o primeiro carro concebido para ser 100% elétrico, acessível a todos, a partir de EU$ 15.700 com impostos, e ideal para uso diário. O ZOE integra a tecnologia mais avançada através de seis inovações em escala mundial a serviço da simplicidade de utilização, autonomia e conectividade.

Pela primeira vez, foram reunidas as condições de desenvolvimento de um veículo elétrico em série. Apresentado no Salão de Genebra 2012, o Renault ZOE será comercializado a partir do terceiro trimestre deste ano. Seu lançamento marca o início de uma nova era: a do veículo elétrico para todos.

Renault Zoe (foto: divulgação)

Um design pautado pela pureza e a emoção

O design definitivo do ZOE está sendo revelado mundialmente durante o Salão de Genebra de 2012. Projetado para ser exclusivamente elétrico, o ZOE é um hatch compacto, com linhas fluidas e puras. Seu look ágil e dinâmico inspira o prazer de dirigir. O ZOE se diferencia também por sua assinatura luminosa: LEDs iluminam permanentemente duas pequenas reentrâncias que emolduram a entrada de ar frontal. Assim como o Twingo e o Twizy, o ZOE ostenta a nova identidade de design da Renault.

Do lado de fora,"Queríamos que o design do ZOE significasse uma tecnologia de ruptura, ao mesmo tempo em que mantivesse as marcas estilísticas. A dimensão ecológica se encontra nas linhas puras que parecem seguir ao longo da carroceria. As proporções contemporâneas associadas aos efeitos esculpidos fazem do ZOE um veículo atraente e cativante", explica Agneta Dahlgren-Hermine, Gerente de Projeto de Design do ZOE.

Renault Zoe (foto: divulgação)
ZOE, muitas inovações para uma nova mobilidade

Durante a concepção do ZOE, mais de sessenta patentes foram registradas com inovações em termos de autonomia, interatividade e bem-estar.
Renault Zoe (foto: divulgação)

ZOE, o único veículo elétrico de produção em série com mais de 210 km de autonomia (ciclo normatizado NEDC)

Pela primeira vez, um veículo elétrico de produção em série apresenta mais de 210 km de autonomia (NEDC). Em utilização real, a autonomia de um veículo elétrico varia mais que a de um veículo térmico, em função das condições de rodagem: velocidade, perfil do trajeto, temperatura externa, entre outros. Porém, graças ao Range OptimiZEr, que reúne três inovações principais " a frenagem regenerativa de nova geração, a bomba de calor e os pneus Michelin EnergyTM E-V " a autonomia real do ZOE aumenta até 25% e sua variabilidade é nitidamente atenuada.
A frenagem regenerativa capta quase toda a energia perdida durante a frenagem e isso sem efeito perceptível no comportamento dinâmico do ZOE: nada de solavancos ou freio motor pronunciado.
Este sistema tem dupla função:
  • Na desaceleração, assim como no Fluence Z.E. e no Kangoo Z.E., o motor recupera a energia cinética do veículo e a converte em corrente elétrica, que recarrega a bateria.
  • Quando o condutor pisa no pedal de freio, o sistema distribui a orientação de frenagem de forma inteligente entre o aperto das pastilhas e o freio motor, a fim de maximizar a ação deste último, que recarrega a bateria.
A bomba de calor oferece um excelente conforto térmico, ao mesmo tempo em que preserva a autonomia do veículo. Este sistema, que funciona como um climatizador reversível, não aumenta o consumo de eletricidade. Produz calor e frio através de simples inversão no funcionamento do circuito, entregando aproximadamente 2 kW de frio ou 3 kW de calor com apenas 1 kW de eletricidade. A temperatura do habitáculo também fica mais constante, pois independe das calorias liberadas pelo motor.

O pneu Michelin EnergyTM E-V é uma inovação da Michelin desenvolvida em conjunto com a Renault, em lançamento mundial para o ZOE. Este pneu de alta eficiência energética melhora a autonomia do veículo. Sua banda de rolagem, escultura e flancos foram especialmente estudadas para suportar o alto torque do ZOE e se adaptar aos usos específicos do veículo elétrico. Ele confere as mesmas qualidades de segurança e aderência ao solo que todos os outros pneus Michelin. Disponível em 15" e 16", ele é montado em todos os o ZOE como equipamento original.

O carregador Caméléon revoluciona o carregamento dos veículos elétricos

O ZOE é o único veículo equipado com o carregador Caméléon. Este carregador com patente registrada pela Renault é compatível com qualquer nível de potência de até 43 kW. Ele pode ser recarregado em um terminal entre 30 minutos e 9 horas. Por exemplo, o ZOE se recarrega em uma hora na potência de 22 kW. Este nível de potência intermediária preserva melhor a duração das baterias e tem menos impacto na rede elétrica que uma recarga rápida de 43 kW.
Renault Zoe (foto: divulgação)

Fonte: Bagarai

3 comentários:

  1. Pena que nossos governantes teimam em menosprezar o fato de que os veículos elêtricos, como produto de uso massivo, pelo consumidor, invadirá o Brasil mais cedo do que eles pensam, pois, em médio prazo (10 anos, no máximo), a autonomia dos carros elétricos superará a dos movidos a combustíveis fósseis, e seu custo, também, cairá, igualando-se aos veículos convencionais.

    ResponderExcluir
  2. nao entendi porque o aluguel da bateria. uma das explicacoes dizia que era para pagamento de imposto? que imposto eh esse? comprar um veiculo a vista e continuar pagando uma prestacao eterna, pode ser um grande negocio para quem vende mas quem compra deve pensar bem antes de fazer o negocio. ate parece casa comprada por aqueles planos do bnh da caixa, que vc jamais iria acabar de pagar. o carrinho e um show de designer e conceitos, mas vou aguardar a experiencia dos outros. sinto muito

    ResponderExcluir
  3. Sem lucro da Petrobras com seu preço absurdo da gasolina, como ficaria o país?

    A BR deveria investir mais em fontes de energia alternativa, e não ter-las como mero marketing.


    ResponderExcluir

Mais Vistos