Fórum destaca viabilidade de elétricos no Brasil


O carro elétrico ainda está em fase embrionária no Brasil, mas não é por falta de dedicação, de organizações não governamentais e privadas, que em conjunto ou separadamente, trabalham para que o País esteja inserido no que há de mais moderno no setor automobilístico global. Neste sentido, muito se evoluiu na Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio + 20, que aconteceu na cidade do Rio de Janeiro, no último mês. Um dos destaques do evento foi o Fórum Global em Mobilidade Elétrica, organizada pela Associação Brasileira do Veículo Elétrico – ABVE, que com outros parceiros discutiram a viabilidade e o futuro do carro elétrico no Brasil.

Além de revelar dados recentes, o encontro serviu para reunir expoentes do setor automobilístico “verde” e pessoas interessadas na preservação do meio ambiente. Dentre várias contribuições, ressalta-se a exposição da Itaipu Binacional, que mostrou a sua experiência no resgate e desenvolvimento do veículo elétrico no Brasil. Segundo Celso Novais, Assessor de Mobilidade Elétrica e Sustentável da Binacional, o nosso país poderia estar economizando oito usinas do seu porte por ano, caso utilizasse energia elétrica na frota nacional. A Itaipu Binacional e seus parceiros (Fiat, Iveco, Mitsubishi, Agrale, entre outros) estão em fase adiantada de evolução de seus protótipos de veículos elétricos.

O Presidente Executivo da Associação Brasileira do Veículo Elétrico – ABVE, Pietro Erber, defendeu a importância de ter uma política pública para os VEs, priorizando os seguintes pontos: tratamento fiscal diferenciado, controle de emissões e incentivo ao sucateamento de veículos obsoletos, preços das energias compatíveis com seus custos de obtenção e utilização, cobrança de externalidades negativas para financiar a racionalização dos transportes.

A Renault-Nissan colocou três veículos em exposição no local do evento, o Renault Fluence Z.E, Twizy e o Nissan Leaf. Eu pude testar o espaço do modelo Twizy Z.E, cuja versão inicial na Europa será equipada com motor de sete cavalos de potência e autonomia de 45 quilômetros. Por lá, dirigi-lo somente é permitido nas cidades. Como não requer que o motorista seja habilitado, ele pode ser conduzido por pessoas acima de 16 anos. Na Europa, o Twizy será vendido por 7.000 euros (em torno de R$ 16.000 ao câmbio de 2,27), porém, será necessário pagar mais 70 euros pelo leasing das baterias.

Agora basta apenas o governo brasileiro decidir e agir para que a nossa indústria automobilística não fique distante dos países mais adiantados no setor de veículos elétricos.'

Por: Evaldo Costa
Fonte: Carsale

Um comentário:

  1. Nunca se ouviu falar tanto em VE no Brasil. E o VEBLOG está contribuindo muito para isso. Continuo divulgando esse trabalho excelente do blog.
    WILLIAM RAMOS

    ResponderExcluir

Mais Vistos