Consumidor europeu já aposta no carro elétrico

Anúncio do grupo Renual-Nissan da venda de 100.000 carros elétricos

Depois de anos de desconfiança sobre a viabilidade dos carros elétricos, as montadoras da Europa começam a apostar a sério na nova tecnologia, movidas pela receptividade crescente dos clientes. Em um ano, a venda de automóveis de propulsão elétrica na França cresceu 100%. A base de cálculo ainda é pequena, mas diante de um mercado automotivo em crise, no qual os construtores não param de ter prejuízos e quedas nas vendas, os 4,7 mil novos proprietários do primeiro semestre podem indicar uma tendência.

No mesmo período de 2012, os compradores de carros elétricos na França somavam 2,27 mil - ou menos da metade. E esse crescimento foi registrado em um setor em crise, com vendas gerais em queda de 11%. Em junho, segundo o Comitê de Construtores Franceses de Automóveis (CCFA), a opção por veículos a eletricidade cresceu 10 vezes. A perspectiva das montadoras é de que 2013 represente um novo patamar de comercialização para esse segmento, que deve superar a marca de 15 mil vendas na França.

O avanço ocorre apesar dos preços elevados, entre 13,7 mil euros e 27,9 mil euros, no caso de veículos de série - há ainda supermáquinas elétricas, cujos preços se aproximam dos mais caros automóveis de luxo ou de esporte.

Um dos pioneiros do mercado, o grupo Renault-Nissan chegou no final de junho a uma marca emblemática: a de 100 mil carros elétricos já vendidos no mundo desde dezembro de 2010. Boa parte deste sucesso vem do Japão: por lá, o Nissan Leaf já soma 71 mil unidades vendidas, à frente da concorrente Mitsubishi i-Miev. Na Europa, onde o interesse ainda é incipiente, a montadora vendeu 29 mil unidades, o suficiente para somar 61% do mercado. "A era do veículo de emissão zero de massa começou", disse o presidente do grupo, Carlos Ghosn, no fim de julho.

O resultado impulsionou a Renault, que está em crise na França, a multiplicar as opções à venda. Lançou o Zoe, primeiro modelo 100% elétrico, que já vendeu 6 mil unidades desde 2012. Além dele, a montadora prepara versões elétricas de modelos existentes com motores a gasolina e diesel, caso do Kangoo ZE, do Twizy e do Fluence.
Faltam concorrentes. Em parte, o resultado da Renault vem sendo obtido pela falta de concorrentes e pelo investimento maciço na tecnologia - são ? 4 bilhões em pesquisa e desenvolvimento, uma prioridade do executivo franco-brasileiro Carlos Ghosn.

BMW i3 - Carro 100% Elétrico
Quanto à concorrência, o cenário começa a mudar. No fim de julho a BMW apresentou o i3, seu primeiro modelo elétrico. Com autonomia entre 130 e 160 quilômetros, o veículo chegará ao mercado por 27,9 mil euros, preço que poderá ser reduzido em até 7 mil euros graças a "bônus ecológicos" concedidos como incentivo fiscal por alguns países.

A Smart, fabricante do já clássico carrinho de dois lugares, a Volkswagen, com o Up!, a Ford, com o Focus, e a Mercedes, com o Classe B, também se lançarão à concorrência do setor, que atrai as montadoras na Europa em razão das novas normas de emissão de gás carbônico, a serem adotadas em 2020.

Entre consumidores, a curiosidade, mesmo entre quem ainda não tem um, é crescente. "Eu estou pensando em comprar um carro elétrico, mas tenho dúvidas do ponto de vista prático. Será um veículo apenas para trajetos cotidianos entre o trabalho e nossa casa?", diz o administrador Elio Mercier, que busca mais informações sobre autonomia e tempo de recarga, além da relação custo-benefício, antes de investir na nova tecnologia.

O mercado só não cresce mais porque as limitações de infraestrutura persistem. Em toda a França, por exemplo, há apenas 6,5 mil estações de reabastecimento de carros elétricos, 4 mil delas em Paris, graças ao sistema de veículos públicos de locação Autolib (leia abaixo). "Há um pouco de frustração porque o que nós queremos é o desenvolvimento das infraestruturas", reconheceu Ghosn.

Por: Andrei Netto
Fonte: O Estado de S. Paulo

Nenhum comentário:

Mais Vistos