Aluguel de moto elétrica é opção para logística limpa

Em parceria com empresa europeia, executivo traz para o Brasil modelo de negócios baseado na locação de veículos silenciosos e com emissão zero

A Cooltra tem dois modelos de scooter elétrica; diferença está na velocidade e na autonomia. Foto: Divulgação/Cooltra

Mais de 17 milhões de motocicletas rodam pelo País, segundo o Denatran. Elas geram 80% do ruído urbano, emitem gases e partículas poluentes. Para oferecer uma alternativa a esse cenário, o executivo Island Farias trouxe para o Brasil o modelo de negócios da Cooltra, que faz locação de scooters elétricas.

Em parceria com a matriz europeia, Faria inaugurou em abril, em São Paulo, a primeira unidade da Cooltra no País. A locação de modelos silenciosos e com emissão zero é voltada para empresas e também para o usuário final.

Na Europa, a companhia tem mais de 80 lojas. A maior demanda é de empresas. Na outra ponta estão turistas, que podem alugar as motos pela internet e retirá-las no local.

No Brasil, diz Faria, o objetivo neste início de operação é aproximar o veículo elétrico do varejo, com ofertas que tornem a escolha competitiva.

Além da questão sustentável, o executivo destaca a economia que o empresário pode ter a longo prazo se optar pela locação de um veículo elétrico. Faria compara os custos que uma empresa teria ao comprar uma moto movida a gasolina e ao alugar uma elétrica. No primeiro caso entram gastos com combustível, seguros, IPVA, licenciamento, lubrificantes, peças, financiamento e depreciação de um modelo de 150 cilindradas. O desembolso por mês, calcula, chega a R$ 1.198. Na locação de uma elétrica, o gasto mensal cai para R$ 656, pois entram na soma apenas o aluguel e o abastecimento - que, de acordo com a empresa, custa apenas R$ 1,33 a cada 100 quilômetros rodados.

Clientes
Com cinco meses de operação no Brasil, a Cooltra tem mais de 30 clientes, a maioria no segmento corporativo. "Nossos clientes estão concentrados em empresas de delivery, que oferecem entrega de produtos sem emissões de CO2", afirma.

Além das empresas, a companhia quer atender o turista que deseja conhecer São Paulo e usar um meio de transporte limpo para fazê-lo. Por isso, além das motocicletas - com diária em torno de R$ 60 -, aluga bicicletas elétricas, por cerca de R$ 30 a diária.

Até o final de 2014 deverá ser aberta uma unidade no Rio de Janeiro. A empresa estuda ainda abrir pontos em Campinas, Curitiba e Florianópolis.

Para 2015 a meta é multiplicar por dez o número de veículos hoje disponíveis para locação e chegar a mil unidades, entre motos e bikes.

Faria estuda ainda a hipótese de franquear o modelo de negócio a partir de 2016.

Na Europa, a Cooltra faturou o equivalente a R$ 12 milhões em 2013. Para o primeiro ano da operação no Brasil, o executivo projeta um faturamento de R$ 1 milhão. A empresa investiu R$ 2,5 milhões para abrir o negócio e se adaptar ao mercado brasileiro e já pensa em expansão. "Hoje temos 50 veículos disponíveis, mas devemos ter outros 50 até dezembro", afirma.

O investimento para iniciar as operações no Brasil partiu da matriz. A operação brasileira é uma sociedade da empresa europeia com Faria, que responde como consultor executivo da Cooltra no País.

Montagem
Os modelos utilizados pela locadora são do tipo E-Max 90S e 120S. A diferença está na velocidade e na autonomia. O primeiro atinge 45 km/h e roda até 60 quilômetros sem recarga. O segundo chega a 75 km/h, com autonomia de até 90 quilômetros. O tempo para recarregar completamente as baterias varia de 3 a 4 horas, em tomada comum.

As motos têm peças importadas da Alemanha e da Itália, mas são montadas na fábrica da Riba Motos, na cidade de Varginha, Minas Gerais.

Boa parte do que sai da linha de montagem é direcionada para a própria Cooltra. Mas empresas de entregas, entre elas os Correios, já compraram lotes de motocicletas.

"O preço talvez ainda assuste um pouco. Cada moto elétrica pode custar entre R$ 9 mil e R$ 18 mil, depende da sua capacidade de autonomia", diz Faria. O componente mais caro é a bateria.

A Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) não tem dados sobre o número de motocicletas elétricas que rodam hoje no Brasil. Na China, a estimativa é de que a frota desses veículos chegue a 90 milhões de unidades em 2018.

Por: Sammy Eduardo
Fonte: DCI

Nenhum comentário:

Mais Vistos