Empresas de automóveis chinesas e estrangeiras estão otimistas sobre o mercado de automóveis de energia renovável

Viwa - Conceito de carro elétrico chinês da parceira Dongfeng/Nissan

Foi realizado nos últimos dois dias, em Chongqing, o Fórum da Indústria de Automóvel Global de 2015. Os responsáveis pelas empresas de automóveis chinesas e estrangeiras disseram que a tecnologia e a política são os dois elementos necessários para o desenvolvimento do mercado de novas energias, e que esses veículos irão desempenhar um papel importante para a indústria no futuro que agora enfrenta uma desaceleração.

Segundo os dados mais recentes, a produção de automóveis da China nos primeiros quatro meses deste ano foi de 8,28 milhões, apresentando um crescimento de 4,12% em comparação com o mesmo período do ano anterior, e a venda registrou 8,14 milhões de veículos, demonstrando também um crescimento de 2,77% face ao mesmo período do ano passado. No entanto, o crescimento da produção e da venda continuou caindo. Devido à situação do mercado, à produtividade excessiva e à queda das vendas, alguns especialistas consideram que a indústria irá enfrentar uma fase de transição. O adjunto diretor-geral da Empresa de Automóveis de Dongfeng, Liu Weidong, conta-nos o futuro do setor.

"Prevê-se que o crescimento da indústria de automóveis da China irá entrar numa fase de transição. O crescimento continuará sendo pior do que 3%, e será possível acontecer um crescimento negativo. Então, a indústria irá ficar nesse estado a longo prazo."

Sob esse contexto, a utilização das energias renováveis se tornou uma escolha para muitas empresas chinesas. O presidente do Grupo BAIC, Xu Heyi, considerou que com a revolução tecnológica e o desenvolvimento energético, os novos veículos terão a possibilidade de impulsionar a indústria.

"A estratégia 'A Manufatura da China 2025' apresenta um futuro brilhante para a indústria de automóveis com nova energia da China. Até 2020, a venda dos veículos eléctricos com marca chinesa irá superar 2 milhões, e até 2025, a venda dos veículos com nova energia alcançará 3 milhões. Esses veículos irão desempenhar um papel especial para a indústria futura."

A Empresa de Nova Energia de BYD Daimler está focando em veículos excusivamente elétricos e está otimista sobre o mercado chinês. A empresa começou a venda do seu carro elétrico Denza no Outono do ano passado. O vice-presidente da empresa, Ronald Koning, revelou que o Denza será vendido em mais cidades do que agora.

"A indústria de veículos elétricos se desenvolve continuamente. Beijing, Shanghai e Shenzhen são os nossos mercados principais. Este ano, planejamos expandir os negócios para Nanjing e Hangzhou. Além disso, expandimos para Guangzhou, Wuhan, Xi'an e Xiamen."

O governo chinês publicou em maio o plano "A Manufatura da China de 2025". De acordo com o documento, até 2020, a vida da bateria dos veículos deverá alcançar 5 mil horas, e o carro elétrico tem que possuir característica de durabilidade.

O engenheiro-chefe do Centro Nacional de Pesquisa da Tecnologia de Engenharia para o Controle e Segurança de Ônibus Eléctrico, Li Gaopeng, considerou que com a revolução da tecnologia, o custo dos veículos com nova energia irá reduzir.

"Nos últimos dois anos, o custo da bateria dos carros elétricos já reduziu cerca de um terço. Acho que é possível reduzir ainda mais um terço, até a metade. Então, o custo desse tipo de carros é bem menor do que o dos veículos a combustíveis. Entretanto, isso não depende do subsídio do governo, só precisa das orientações políticas sobre o consumo de combustível lançadas pelo governo."

Fonte: CRI

Nenhum comentário:

Mais Vistos