Honda Clarity e Toyota Mirai disparam na 'corrida' do carro a hidrogênio

Salão de Tóquio destaca os modelos que liberam água em vez de gás no ar. Tecnologia ainda é cara e restrita, mas tem recarga rápida e mais autonomia.

Honda Clarity Fuel Cell

O Salão de Tóquio, aberto nesta quarta-feira (28) para a imprensa, aponta que um dos combustíveis do futuro poderá ser o hidrogênio. E, apesar de não serem as únicas a terem a tecnologia, Honda e Toyota, as duas maiores montadoras japonesas, saem na frente nesta "corrida".

O Clarity Fuel Cell, da Honda, começa a ser vendido no Japão em março de 2016, para empresas e governo, por cerca de R$ 246 mil. De acordo com a fabricante, ele terá capacidade para andar até 700 quilômetros com uma carga.

O Mirai, da Toyota, já começou a ser vendido no Japão, mas chegará a alguns países da Europa e aos Estados Unidos em breve. O número de unidades que serão produzidas neste ano é limitado a 300.

Na última quarta (21), ele estrelou a campanha que lembrava a data exata da chegada de Marty McFly ao futuro. Na homenagem ao filme "De volta para o futuro", com direito à reunião de Michael J. Fox (McFly) e Christopher Lloyd, o Mirai foi apontado como o futuro, em alusão ao carro que, na previsão do filme, transformaria lixo em combustível.

Toyota Mirai

Como funciona
Tanto no Mirai quanto no Honda, o gás hidrogênio é comprimido em tanques, como os de GNV, instalados no carro. Ele é levado para uma caixa onde se entra em contato com o oxigênio que veio das generosas entradas de ar do carro.
Esse encontro produz a corrente que faz o motor elétrico funcionar e "empurrar" o carro. Ou seja: todo veículo "movido" a hidrogênio (ou FCV, sigla de "fuel cell vehicle") é, na essência, um elétrico.

Só que, em vez de carregar o carro na tomada, para dar nova carga à bateria, o hidrogênio é que produz essa energia. E o que ele solta pelo escapamento, em vez de gases nocivos como no caso do motor a combustão, é água.

As vantagens em relação aos carros carregados na tomada ("plug-ins"), segundo as montadoras, são que a bateria demora muito mais para acabar porque a capacidade de compressão do hidrogênio nos tanques é grande.

Com mais fonte de energia, o carro consegue rodar uma distância muito maior, ou seja, tem mais autonomia --um dos maiores entraves para veículos elétricos, que descarregam mais rápido e requerem recargas mais frequentes. E mais pontos de recarga disponíveis.

Outro benefício é que reabastecer o tanque de hidrogênio demora cerca de 3 minutos (veja o vídeo) em estações apropriadas --enquanto um carro elétrico pode ter de ficar horas ligado à tomada para recarregar a bateria.

Em contrapartida, a tecnologia é mais cara, o que acaba sendo repassado para o custo do carro, e a estrutura para que seja possível recarregar os tanques com facilidade ainda é inexistente em boa parte do mundo.

Por: Luciana de Oliveira
Fonte: Auto Esporte

Nenhum comentário:

Mais Vistos