Boom do carro elétrico faz disparar preço do lítio, a nova gasolina

Consumo deste material, fundamental para as baterias, crescerá 25% até 2025 no setor de transporte


“A nova gasolina.” Assim o banco de investimentos mais importante do mundo, o Goldman Sachs, definiu o lítio, a matéria-prima das baterias que alimentam os carros elétricos. O boom do mercado desses veículos fez disparar a demanda por esse metal, que, segundo a instituição norte-americana, em 2025 será 11 vezes maior que agora, até alcançar as 300.000 toneladas. Com isso, saltaram também os preços, que em alguns mercados subiram mais de 200% em poucos meses.

O lítio é o elemento base das baterias de smartphones e tablets e é utilizado também em outros setores, como a produção de lubrificantes e a de vidro e cerâmica. De acordo com os dados da consultoria IHS Chemical, 33% de seu consumo está vinculado com a produção de baterias. Mas, enquanto o consumo médio anual no setor de transporte crescerá 25% até 2025, o aumento relacionado com os dispositivos eletrônicos se limitará a 3%,

“Em 2025, os carros elétricos e os híbridos plug-in [com tomada, os que estão equipados com uma bateria e um motor à combustão interna] constituirão 40% dos novos emplacamentos. Ou seja, a cada ano cerca de 40 milhões dos carros que entrarão no mercado precisarão de uma bateria”, explica Giacomo Mori, vice-presidente da consultoria norte-americana AlixPartners. No final de julho, o fabricante de carros elétricos Tesla inaugurou em Nevada (EUA) a planta Gigafactory, com o objetivo de produzir baterias de lítio para 500.000 carros ao ano dentro de cinco anos.

O analista explica que, além dos avanços tecnológicos, o escândalo de adulteração de motores diesel que envolveu a gigante alemã Volkswagen contribuiu para fortalecer o mercado de carros elétricos: “Embora as emissões dos motores diesel mais avançados sejam em termos absolutos inferiores às de propulsores mais antigos, a diferença entre os padrões que exigem normas antipoluição cada vez mais restritivas e o efetivo desempenho dos motores foi aumentando”.

O resultado, realça Mori, é que os grandes fabricantes estão repensando o futuro do diesel. Produzir motores que respeitem as regras implica elevar exponencialmente os investimentos, enquanto que os avanços tecnológicos reduzirão paulatinamente os custos de produção dos veículos elétricos. E isso se traduzirá também na diminuição do preço de venda: hoje em dia um carro elétrico é 45% mais caro que um a diesel, mas em 2025 essa diferença cairá para até 5%, segundo os dados da AlixPartners.

Dentro desse contexto de crescimento, além disso, o lítio parece não ter concorrentes. “Há pesquisas em universidades e algumas start-ups estão tentando desenvolver baterias com base em outros materiais, mas nenhuma delas tem envergadura para entrar no mercado no curto prazo”, afirma Stefan Schlag Leon Beraud, diretor da IHS Chemical. A razão para isso é que “o lítio é o mais leve dos metais que conhecemos, com a melhor relação energia/peso, o que o torna perfeito para alimentar baterias”, explica Christof Koumoudos, analista do UBS.

O aumento da demanda e a falta de alternativas se traduziram, assim, em aumento dos preços. O valor atual do espodumênio —mineral do qual se extrai o lítio— é de 480 dólares (1,5 mil reais) a tonelada, 100 a mais do que em 2014, segundo dados da consultoria londrina Benchmark Mineral Intelligence. O preço atual do carbonato de lítio —a variante química mais utilizada— no mercado chinês, que é um dos mais dinâmicos do mundo graças principalmente aos subsídios oficiais, disparou cerca de 215% entre o último trimestre de 2015 e o primeiro de 2016, até chegar a 19.000 dólares (62,7 mil reais) a tonelada, segundo os analistas do Citigroup, que preveem para 2016 um aumento de 30% no restante do mundo.

O forte incremento dos preços alimenta também as dúvidas em relação a um mercado que muitos analistas consideram pouco transparente. O lítio não tem uma cotação oficial, as trocas a preços correntes são muito limitadas e quatro empresas (a chilena SQM, as norte-americanas FMC e Albermale e a australiana Talison) controlam 85% da produção. “No momento em que o lítio está prestes a integral a cadeia de fornecimento mundial de energia, a falta de transparência de seu mercado representa um problema sério”, escreve Andy Home, colunista da Reuters. Christof Koumoudos, da UBS, não vê motivos para essa preocupação: “Uma alta concentração do mercado é compreensível, já que se trata de um metal totalmente novo, mas é provável que a oferta se fragmente à medida que o mercado vá crescendo nos próximos anos”.

Oportunidade para a América do Sul
O crescimento da demanda pelo lítio tem levado os países detentores de mais reservas a se moverem para não deixar que a sua parte do bolo lhes escape. A Bolívia, com 22,7%, é o país que possui o mais alto percentual do total de reserva conhecidas no mundo, cerca de 40 milhões de toneladas, segundo dados do US Geological Survey. Considerando o Chile (18,9%) e a Argentina (16,4%), os três países concentram na região das salinas, perto das suas fronteiras comuns –região conhecida como o Triângulo do lítio—, a maioria das reservas mundiais.

Em 2008, o Governo boliviano criou um plano para que o país se torne o maior exportador mundial desse metal: “A Bolívia irá definir o preço do lítio para o mundo todo”, afirmou o presidente Evo Morales. A Argentina, por sua vez, é um dos países mais ativos em sua produção, e o Chile consegue extrair uma matéria-prima com presença de magnésio três vezes menos do que a boliviana, sendo, portanto, muito mais fácil para refinar. O risco, porém, é de que a demanda se estabilize e que, “se todos os novos projetos forem levados a cabo, poderemos chegar a uma oferta excessiva de lítio”, afirma Stefan Schlag Leon Beraud, diretor da IHS Chemical.

Por: Thomas Gualtieri
[Fonte: El País]

Um comentário:

Mais Vistos