Como Israel está revolucionando a tecnologia automotiva


Israel não é conhecido apenas por desenvolver armas modernas e – em alguns aspectos baratas – tecnologia militar avançada. O país do Levante reuniu mais de 200 empresas envolvidas com o desenvolvimento de tecnologias automotivas na Conferência EcoMotion, realizada no dia 25 de maio, no Peres Center for Peace, em Jafa.

O objetivo do encontro foi definir um plano de ação para o setor automotivo, chamado de “Startup Nation”, a fim de mostrar ao mundo o que empresas do país estão realizando em prol do automóvel. O país é conhecido por pouca atuação no meio automotivo e pela reputação ruim de seus motoristas, segundo a agência israelense JTA.

Israel só começou a ganhar alguma notoriedade no mundo automotivo após a boa iniciativa da Better Place, que acabou não dando certo. O investimento em um sistema inédito de trocas rápidas de bateria para elevar a autonomia de carros elétricos barrou na própria evolução das células de lítio, que hoje já alcançam 500 km, enquanto na época mal passavam de 160 km.

Mas a finada Better Place abriu os olhos do mundo para o que acontecia em Israel, fora do que normalmente se comenta sobre ele. A Waza, uma empresa de mapeamento topográfico foi comprada por US$ 1 bilhão pelo Google em 2013, pouco depois do fim da companhia que trocava baterias de carros elétricos.

Conhecido pela junção de aplicativo de smartphone com um dispositivo de controle montado no veículo, a Mobileye atraiu a atenção da Intel, que decidiu gastar US$ 15 bilhões para ter a empresa de Jerusalém sob seu controle. Afinal, o passo seguinte da startup será a condução autônoma e contratos bilionários com importantes fabricantes de automóveis.

A lista de interessados estrangeiros em tecnologias israelenses é grande, tendo entre eles BMW, Ford, General, Honda, Motors, Uber, Volkswagen e Volvo. De acordo com a EcoMotion, existem pelo menos 550 startups trabalhando em Israel no desenvolvimento de tecnologias para o transporte. Recentemente, uma delas criou uma pista indutiva para recarga wireless de veículos elétricos em movimento, por exemplo.

Assim como a Electroad acima, a StoreDot aposta também no carro elétrico, mas com recarga muito rápida. A israelense desenvolve um novo tipo de bateria que pode ser recarregada totalmente em apenas 5 minutos, fornecendo autonomia para cerca de 450 km. Mas, a condução autônoma parece ser a preferência de boa parte delas, combinando sensores, câmeras de alta resolução, radares de estado sólido e designadores laser LIDAR.

Uma delas, Oryx Vision, promete uma “nano antena” com eficiência 50 vezes melhor e com custo bem menor que a tecnologia usada pela Mobileye. Comunicações V2V e V2I também são exploradas no país, tendo empresas como a Autotalks, que aposta na conversa entre carros e destes com a infraestrutura viária das cidades. A computação em nuvem também é explorada, assim como segurança encriptada. Processadores de alta capacidade, antenas inteligentes e até um robô para assumir a direção são outras tecnologias em desenvolvimento por lá.

Fonte: Notícias Automotivas

Nenhum comentário:

Mais Vistos